Home / Comportamento / Carreira / Chorar no trabalho é ok, queima o filme ou é suicídio profissional?

Comportamento

Chorar no trabalho é ok, queima o filme ou é suicídio profissional?

Maria Cecília Arra
por Maria Cecília Arra Publicado em 28 de maio de 2015
236 compartilhamentos

Sem drama, querida leitora. Fizemos a pergunta para experts e o veredito é...

Depende de um monte de fatores. Vamos começar do começo? Pois bem, aos fatos: a maioria de nós já chorou no trabalho (hummm, a hashtag #quemnunca parece apropriada), seja por motivos profissionais mesmo, seja por problemas trazidos de casa. Às vezes, é duro manter a emoção sob controle e pronto. Sem pedir licença, lágrimas rolam, estampando culpa, vergonha e vulnerabilidade em um rostinho que, provavelmente, não merece tais julgamentos. Respondendo a pergunta do título, tudo bem deixar escapar um chorinho. "Chorar é humano e, cada vez mais, as empresas estão voltadas a entender e valorizar a parte humana de seus funcionários, lidando com questões relacionadas a motivação, escolhas e desejos, a fim de obter uma melhor performance e dedicação de seus colaboradores", analisa a psicóloga e psicoterapeuta corporal Luciana Tripoloni, de Ribeirão Preto (SP).

Sério? Não pega mal?

Mais uma vez, depende. Apesar de ser altamente recomendável preservar a sua intimidade no ambiente de trabalho, segurar o choro pode não ser o melhor caminho - reprimi-lo repetidamente, inclusive, faz mal à saúde. Só que veja bem, estamos falando de eventos esporádicos, não de rotina. É o que explica Flora Victoria, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Coaching: "A questão não é chorar uma vez ou outra, o que não deve ocorrer é o descontrole emocional. A circunstância pode ser corriqueira, como um desentendimento com um colega, ou algo mais sério, como uma doença ou morte na família, mas para qualquer um dos casos, o ideal é você ter um conhecimento íntimo das suas emoções para saber a melhor maneira de lidar com esses altos e baixos no local de trabalho".

Melhor evitar, não é?

Sem dúvida. O importante é não se esquecer das responsabilidades e se resguardar. "É preciso aprender a ter autocontrole. Se estou recebendo um feedback negativo, por exemplo, tenho que entender que aquilo não é para mim como pessoa, e sim para a tarefa que realizei", comenta Marisa Godoi, sócia-diretora da Êxito Gestão de Carreira. Ainda que o chefe tenha sido indelicado, a melhor solução é cultivar a paciência e procurar captar as razões alheias envolvidas na questão. "Tente não levar a situação para uma explosão de raiva, o que pode ocasionar uma crise de choro. Dê um tempo a si mesma. Assim, fica mais fácil ter controle nos momentos de grande estresse emocional", diz Flora Victoria.

Ai, não aguentei e chorei até soluçar. E agora?

Recomponha-se. Caso o choro esteja incontrolável, vá ao banheiro ou algum outro lugar mais reservado até se acalmar. O desabafo foi na frente de algum colega? Luciana dá uma dica: "Se tiver intimidade e se sentir à vontade, converse. Se não, não faça nada. Chorar não é uma aberração da natureza e não traz a obrigação de uma justificativa, a não ser que isso afete a execução de seu trabalho de alguma forma".

Com o fôlego recuperado, lave o rosto para remover os restos de maquiagem borrada e aproveite esse break para refletir. "Atente-se sobre qual foi o 'gatilho' que desencadeou essa emoção e observe, principalmente, como você responde a ela. Antecipar-se na compreensão do que gerou o choro pode ajudar", aconselha Flora Victoria.

Problemas. Quem não tem?

Pois é. Além do mais, as linhas entre o pessoal e o profissional estão cada vez mais tênues. Quando a vida em casa anda bagunçada, fica difícil deixar a encrenca da porta do escritório para fora. Nessas condições, preze a honestidade. "Se você realmente não está bem a ponto de ficar completamente desestruturada por assuntos familiares, é legal compartilhar com o chefe, alguém do RH ou amigos mais próximos. As pessoas vão te acolher nesse momento", garante Marisa. Porém, não interprete essa boa vontade como um sinal verde para despejar desprazeres nos ouvidos dos colegas. Sair do eixo com frequência pode ser indício de problemas mais sérios, que requerem tratamento, ressalta a psicóloga Luciana: "O choro vem como a expressão de algo que incomoda, então é este algo que deve receber atenção e ser tratado".

Chorar no trabalho é suicídio profissional quando...

➥ É exagerado;
➥ Afeta a relação com clientes, por exemplo, causando constrangimento ou prejuízo em uma conversa;
➥ É usado como ferramenta de chantagem emocional;
➥ Vira uma forma de se esquivar de uma situação indesejada.

Chorões bem-sucedidos

Três bambambãs do mundo corporativo internacional já choraram enquanto estavam trabalhando e não tiveram vergonha de assumir. #1 Sheryl Sandberg, chefe operacional do Facebook, não só se debulhou em lágrimas na frente dos colegas, como também disse que precisamos aceitar essa necessidade biológica. #2 O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, chorou diversas vezes em público. #3 Steve Jobs era taxado de chorão.

Sheryl Sandberg, chefe operacional do Facebook © Getty

E você, já chorou no trabalho? Comente!

Conte-nos o seu causo no campo de comentários abaixo. Ainda ficou com alguma dúvida depois de ler a reportagem? Registre também!

Este texto foi escrito por @cicaarra

Mais dicas para a sua carreira decolar

Continue no taofeminino porque tem:

por Maria Cecília Arra 236 compartilhamentos

você também vai <3: