Home / Bem-Estar / Fitness / Do treino à corrida: como eu sobrevivi à minha primeira maratona

© iStock
Bem-Estar

Do treino à corrida: como eu sobrevivi à minha primeira maratona

by Ana Paula Sanches Published on 29 de abril de 2015
A-
A+

Correr uma maratona não é fácil, mas não é impossível. A repórter Lareese Craig fala sobre determinação, frustração, superação - e vai te inspirar a calçar o tênis, quer ver?

Você acha que nun-qui-nha na vida vai conseguir começar a praticar esportes e levar uma vida mais saudável? Bom, a Lareese Craig, repórter do sofeminin.com.uk (a versão inglesa do taofeminino) também achava, mas com determinação, foco e muuuuuito treino, ela conseguiu correr os 42 quilômetros de uma maratona. Quer saber como? Ela mesma conta.

“Quando eu decidi fazer algumas mudanças no meu estilo de vida e voltar a correr, em janeiro de 2014, percebi que precisava de um incentivo que me ajudasse a alcançar o meu objetivo. Precisava de uma motivação garantida, algo que fosse me desenvolver de uma forma única, e correr uma maratona preenchia todos esses requisitos. Um infeliz acontecimento acabou servindo de estímulo: um velho amigo dos tempos de escola morreu enquanto lutava no Afeganistão, em outubro de 2013. A prova de corrida seria uma batalha física, mental e emocional.

Eu me inscrevi na Maratona de Brighton em abril do ano passado e nunca me arrependi. Não segui à risca nenhum cronograma – pelo menos não até 16 semanas antes da corrida. Ao invés disso eu tentei aproveitar o meu verão, sem a pressão de correr uma distância certa.

O treinamento foi difícil. O comprometimento começa pra valer quando você se vê tendo que entrar no ritmo das longas corridas e colocar essa nova atividade dentro da sua rotina – especialmente quando eu estava fazendo malabarismos para ir de Brighton a Londres todos os dias.

Quando alguém pergunta “quais são seus planos para essa semana” e você dá a resposta em milhas, é sinal de que a corrida está realmente entrando na sua vida. Eu acho que meus amigos e a minha família logo aprenderam a desligar assim que essa palavrinha com “M” era mencionada – o que, no meu caso, acontecia a cada 10 minutos.

Realmente levou um tempo até eu me acostumar. O primeiro momento de raiva que eu tive foi quando uma corrida de 10km me detonou completamente. Eu joguei meus tênis no chão, arranquei os fones de ouvido das minhas orelhas e dei um soluço de raiva constrangedor. Você sabe que é irracional e desnecessário, mas você meio que aprende a conviver com os altos e baixos e, eventualmente, consegue até rir de si mesma.

Antes mesmo que notasse, um ano inteiro já tinha passado e a hora da corrida, por fim, chegara. Você tem consciência de que todos os meses de treinamento foram dedicados a esse momento. Em algum lugar entre o nervosismo e a empolgação, você consegue se manter forte.

O apoio dos espectadores te dá um nó na garganta. Quando os voluntários estão fazendo de tudo para manter você hidratado e as crianças levantam suas mãos abertas pra que você faça um high-five, ou quando você vê os seus familiares gritando com toda a força para dar energia. São esses momentos que você leva durante o percurso, não a dor. Você logo percebe que correr uma maratona é muito mais do que apenas uma corrida. É como o técnico de corrida Mike Fanelli diz: “você corre a primeira parte com a sua cabeça, o meio com a sua personalidade e o fim com o seu coração”.

Quando eu finalmente cruzei a linha de chegada, esperava me sentir completamente feliz. Todo mundo me garantiu que seria o melhor momento de todos os tempos, e foi mesmo. Só que, ao mesmo tempo, ele veio acompanhado de uma insegurança. ‘O que eu faço com a minha vida agora?’ Eu passei meses dizendo ‘não’ para todos os eventos sociais, voltando pra casa correndo pra treinar, comendo como um cavalo e comemorando todos os meus ganhos físicos, mas agora tudo isso acabou. Eu sou uma mulher livre, mas não sei se realmente gosto dessa sensação.

Estou considerando a ideia de me inscrever em outra maratona, mas não sei se realmente poderia lidar com o que sei que estaria por vir. Realmente foi algo positivo me inscrever quando eu não sabia o me esperava, mas agora eu sei.

Por enquanto você pode me ver no Instagram perseguindo o sonho de ter o bumbum perfeito (e esperando que isso não envolva banhos de gelo e Imodium)".

Quando alguém pergunta “quais são seus planos para essa semana” e você responde em milhas você sabe que a corrida está realmente entrando na sua vida.

Está pensando em correr uma maratona? Veja as dicas da Lareese:

1. Encontre uma motivação

Não corra uma maratona sem um objetivo. Seja por caridade ou para se sentir melhor, é a sua motivação que vai o manter motivada no dia da corrida.

2. Encontre o par de tênis certo

Você precisa sentir-se confortável.

3. Corra com inteligência

Faça pesquisas, fale com amigos que correm, procure pessoas interessantes no Instagram e faça um plano ideal para você. Pelos próximos 6 meses a maratona vai dominar a sua vida e você precisa estar preparado para isso. Melhore o seu treino gradativamente, varie suas corridas e faça o que for possível para passar pela rotina de treinos com o máximo de energia possível. Eu lutei contra o meu tédio durante as minhas primeiras corridas, então é legal variar.

4. Não comece a treinar tão cedo

Eu comecei a treinar muito cedo e logo fiquei entediada, arrependida e cansada. Aproveite corridas menores enquanto você tem o tempo a seu favor e, depois, pegue pesado quando faltarem entre 2 e 3 meses para o grande dia.

5. Baixe um app de corrida

No começo, ficava perdida sem o meu Nike Run. É bom para gravar o essencial: distância percorrida, passos e tempo.

6. Vá a um fisioterapeuta

Mesmo que você não esteja com nenhum problema, ir a um fisioterapeuta vai fazer você perceber dores que nem você mesmo sabia que tinha. Eles são experts! Eu sofri com dores nas canelas e na tíbia durante meus treinos e, mais tarde, elas resultaram em dores nos quadris.

Depois de ir ao fisioterapeuta, durante alguns meses antes da minha corrida a minha cabeça e meu corpo ficaram em condições muito melhores para correr. Peça dicas ao médico para o dia da corrida.

7. Agende duas massagens

Uma preparatória, outra para depois da corrida.

8. Ficar estressada é ok

Haverá momentos em que você vai pensar que foi uma péssima ideia. Você vai odiar quando o seu corpo começar a te deixar mal, provavelmente vai chorar nas suas longas corridas e vai se perguntar se algum dia irá correr de novo depois da maratona, mas ok: isso é parte do desafio. A melhor frase que eu li enquanto treinava foi: “correr é simples, mas não é fácil”. É um enorme comprometimento, mas algo que mudará a sua vida. Você está autorizada a se sentir estressada como uma louca várias vezes (na verdade, você seria anormal se não se sentisse assim).

9. Garanta o seu sono de beleza

Dormir é tão importante quanto cronometrar o tempo e checar a distância, especialmente antes do dia da corrida. Assegure-se de que você está dormindo 8 horas para garantir que o seu corpo está completamente recuperado e pronto para correr.

10. Planeje suas refeições

Pense na comida como o seu combustível: se você sabe que tem que sair para uma corrida longa no domingo, coma carboidratos no almoço do dia anterior e beba muita água. Planejar as suas refeições é essencial ao preparo da maratona e durante os treinos para ajudar os seus músculos a se recuperarem e, depois da corrida, continue se alimentando bem para manter a sua reserva de energia. Shakes de proteínas são ótimos para ajudar as pernas cansadas a voltarem à pista.

"Coma melhor, mas não menos"

11. Recrute a sua torcida

Com certeza você tem familiares e amigos que vão te dar apoio no dia da corrida. Espalhe-os pelo percurso para conseguir encorajamento ao longo do trajeto – uma maratona é longa demais para atravessar sem ver um rosto familiar sequer. Se você tem só uma pessoa que pode te acompanhar, peça para que ela fique perto do 30º quilômetro, quando você vai precisar mais.

12. Não inove no dia da corrida

Isso vale para tudo, do tênis à comida.

13. Junte suas forças e tente aproveitar!

Claro que você estará nervosa, isso é natural, mas reserve um momento para refletir. Você treinou muito durante meses para enfrentar esse momento. O dia da corrida é a parte fácil agora que você já fez a lição de casa e este é o momento da sua recompensa.

Nada se compara à sensação de cruzar a linha de chegada sabendo que você fez algo inédito. Como Muhammad Ali disse: “Eu odeio cada minuto de treinamento, mas eu digo ‘não desista’. Sofra agora e viva o resto da sua vida como um campeão".

E pra começar a correr com o pé direito...

• ChiRunning: para correr sem esforço, nem lesões
• Por que fazer exercícios de manhã é sua melhor escolha
• Melhor que whey: playlist para dar um gás na academia

by Ana Paula Sanches

você também vai <3: